Saturday, January 19, 2008

Attis


Nasce da amendoeira

não da flôr
mas do tronco rasgado

é um deus poderoso

dirige-se à gruta
onde a Mãe o prepara

a Mãe é ciumenta

o banho oferecido
é um banho de sangue

as bodas prometidas
nunca terão lugar

6 comments:

Moriae said...

Não conhecia a deusa Attis. Mas tb, pouco ou nada conheço.
Admiro a sabedoria e nada tenho de servidora.

Yvette Centeno said...

Attis é um deus, prefigurando Diónisos, Orfeu e a deusa referida é a deusa da Terra, a Grande -Mãe dos primitivos cultos da Suméria, que se prolongam na Grécia e na Roma antiga.
Já falei no meu blog dos mitos da Suméria.

Yvette Centeno said...

Só para concluir, numa das variantes do mito, Cybele, a deusa-mãe ciumenta "sacrifica" Attis, para que ele não possa desposar mais ninguém.
Sugiro que leia num dicionário de símbolos a muita informação existente.

Mas claro, um poema é um poema, é livre !

Moriae said...

Hummmm ... tenho apenas a mitologia de Hamilton, que não refere Attis. Ando há procura de um bom dicionário de símbolos há anos e nunca o encontrei. Bem sei que nem sempre me lembro do assunto e que hoje em dia, há sites (na net) com informação preciosa.
Estou mais familiarizada com a cultura Egípcia, apesar de ser fascinada pela simbologia há muito tempo.
Este blog é precioso.
Obrigada pela atenção.

Moriae said...

E a poesia, transporta-nos facilmente para a circunstância. É magia.

Sophia Fidélis said...

O Mensageiro prossegue um caminho onde suas cartas são dádivas e seus dotes são espadas afiadas. Onde quer que um Mensageiro vá, chegará à seu destino, pois sempre existirá um "Ogum" a protegê-lo.

Vida longa, Mensageiro!

Abraço, Sophia.